Engenharia econômica: payback, valor presente líquido (VPL) e taxa interna de retorno (TIR)

CURSO
Engenharia econômica: métodos de análise de viabilidade econômica e financeira.

Todas as empresas, sejam elas públicas ou privadas, necessitam realizar análises de viabilidade econômica para seus projetos de investimentos. O estudo da viabilidade econômica de um projeto de investimento é denominado de engenharia econômica, também conhecido por análise de investimentos.

O que é a engenharia econômica?

A engenharia econômica é uma disciplina que representa conjunto de princípios e técnicas necessárias para a tomada de decisões sobre alternativas de investimentos.

Em geral, na engenharia econômica aplicam-se estas técnicas para a tomada de decisões de longo prazo. Dentro de uma empresa seriam aquelas decisões relacionadas aos ativos não circulantes (antigo ativo permanente).

O ativo não circulante está relacionado com a geração de resultado operacional para a empresa, por isso é tão importante. Em outras palavras, a análise de investimentos por meio do uso de métodos de engenharia econômica é muito importante para as empresas, pois analisa projetos que estão relacionados com a atividade principal desenvolvida pela empresa.

Exemplos de aplicações da engenharia econômica

Entre os inúmeros casos possíveis de investimentos que uma empresa pode realizar, podemos citar a compra de máquinas, de imóveis, compra de participação acionária em outras empresas, expansão de uma unidade fabril, entre outros.

Conheça o curso “Engenharia econômica: métodos de análise de investimentos” e saiba fazer sua própria análise de viabilidade econômica de projetos de investimentos.

CURSO
Engenharia econômica: métodos de análise de viabilidade econômica e financeira.

Principais métodos de engenharia econômica

Método #1: Payback Simples

O payback simples, ou período de payback, é o método mais simples para se analisar a viabilidade de um investimento. É definido como o número de períodos (anos, meses, semanas etc.) para se recuperar o investimento inicial. Para se calcular o período de payback de um projeto basta somar os valores dos fluxos de caixa auferidos, período a período, até que essa soma se iguale ao valor do investimento inicial.

Uma vez que o período de payback é encontrado quando os fluxos de caixa “pagam” o investimento, então basta somar os fluxos de caixa ao valor do investimento inicial.

O que é o payback simples?

Método #2: Payback Descontado

Este método de engenharia econômica é semelhante ao payback simples, mas com o adicional de usar uma taxa de desconto antes de se proceder à soma dos fluxos de caixa. Em geral esta taxa de desconto será a Taxa Mínima de Atratividade (TMA).

Neste método, todos os fluxos de caixa futuro deverão ser descontados por esta taxa em relação ao período ao qual o fluxo está atrelado.

Qual a diferença entre payback simples e descontado?

Método #3: Valor Presente Líquido (VPL)

Este método consiste em trazer para a data zero, usando como taxa de desconto a TMA da empresa ou projeto, todos os fluxos de caixa do investimento e somá-los ao valor do investimento inicial.

Dos métodos tradicionais de engenharia econômica, o VPL é o método mais recomendado sob o ponto de vista econômico. Possui algumas vantagens, como: leva em conta o valor do dinheiro no tempo; leva em conta o custo de capital da empresa (TMA); pode ser aplicado a qualquer fluxo de caixa (convencional e não convencional); entre outros. No entanto, o VPL também possui algumas desvantagens. Leia mais no link a seguir:

O que é VPL — Valor Presente Líquido?

Método #4: Taxa Interna de Retorno (TIR)

A TIR é a taxa de retorno do empreendimento, considerando o valor do dinheiro no tempo. É a taxa de desconto que zera o valor presente líquido dos fluxos de caixa de um projeto, ou seja, faz com que todas as entradas igualem todas as saídas de caixa do empreendimento. Ao lado do VPL, também é um método de engenharia econômica muito utilizado.

A TIR possui como vantagens o fato de: considerar o valor do dinheiro no tempo; ser fácil de comparar investimentos e de levar em conta a escala e a vida dos projetos, devido ao seu caráter relativo (resultado expresso em percentual) e não absoluto, como o VPL.

Mas também possui algumas das desvantagens, como: pressupõe a reinversão dos valores à própria TIR (resultando em taxas “sub” ou superestimadas; pode haver múltiplas taxas de retorno, ou mesmo não ter solução, dependendo do fluxo de caixa do projeto; não é recomendada em situações de projetos com fluxo de caixa não convencional.

Como a TIR não possui uma fórmula algébrica para ser calculada diretamente, ela pode ser encontrada por meio de tentativa e erro, tanto manualmente, quanto por algorítmos computacionais. Veja mais detalhes no link a seguir:

O que é TIR — Taxa Interna de Retorno?

CURSO
Engenharia econômica: métodos de análise de viabilidade econômica e financeira.

Método #5: Taxa Interna de Retorno Modificada (TIRM)

A TIRM (Taxa Interna de Retorno Modificada) é um método de análise de projetos de investimentos que consiste em trazer os fluxos de caixa negativos para valor presente e levar os fluxos de caixa positivos para valor futuro, resultando em um novo fluxo de caixa convencional.

Dessa forma, a TIRM elimina alguns dos problemas da TIR tradicional, como o fato de não trabalhar bem com fluxos de caixa não convencionais, podendo apresentar mais de um resultado. Leia mais:

O que é TIRM — Taxa Interna de Retorno Modificada?

Métodos de engenharia econômica: comparações

Os métodos de engenharia econômica (análise de investimentos) comentados neste texto são os mais comuns de serem encontrados e utilizados.

O payback, tanto simples quanto descontado, não é um método recomendado, pois os fluxos de caixa após o período de payback são desconsiderados.

Já a TIR tem como seu maior problema o fato de supor que os fluxos de caixa são reinvestidos na própria TIR, o que dificilmente ocorrerá na prática.

Portanto, dos três métodos citados (payback, VPL e TIR), o mais coerente e que pode ser utilizado na maioria dos casos é o Valor Presente Líquido (VPL). No entanto, isso não significa que o VPL também não possui os seus problemas, como comentado ao longo do texto.

  • José Roberto

    Parabéns, bem explicado!

  • Éwoyn

    Obrigado pessoal. Estava tentando aprender essa matéria, vi varias video aulas, mas o texto de vocês foi objetivo. Aprendi. Obrigado mesmo!

    • Que ótimo!! Vc deve ter visto, mas nessa mesma página tem links para outros textos mais detalhados sobre cada um dos métodos de engenharia econômica / análise de investimentos! Bons estudos! Abs 😉

      • Éwoyn

        Realmente foi de grande utilidade. Parabéns pelo site. E muito obrigado mesmo.

  • ELVIO

    Meu nome é Elvio ,quero agradecer pelas informações sobre a matéria, estou pesquisando sobre Viabiliade Econômica e encontrei aqui um esclarecimento bem objetivo. Valeu pela ajuda, desejo sucesso a vcs.